Ao contrário de muitos compositores ilustres, o músico Cartola era um grande intérprete de suas próprias composições. Além dos fundamentos técnicos como afinação, timbre, dinâmica, o mangueirense Angenor de Oliveira entoava seus sambas com um som anasalado quase imperceptível e uma densidade emocional de comover qualquer ser humano. Este foi o último show do violonista, espetáculo registrado em 30 de dezembro de 1978 (ele morreria em novembro de 1980, aos 72 anos) no Ópera Cabaré de São Paulo por Pelão, o J.C. Botezelli, produtor de seu primeiro disco. Acompanhado pelo regional do Evandro (bandolim), completado por Pinheiro (violão), Lúcio (cavaquinho), Zequinha e Sylvio Modesto (ritmistas), o compositor carioca dá um banho de desempenho. A gravação ao vivo conserva algumas imperfeições, mas além do óbvio valor documental, o CD ergue um monumento a O Mundo é um Moinho, , talvez a mais bela composição de Cartola e certamente sua melhor interpretação. Um clássico deste erudito popular.

Voltar