Rolando Boldrin | Kuarup
Rolando Boldrin

Rolando Boldrin

    Curtiu Rolando Boldrin?

Rolando Boldrin

22/10/1936

São Joaquim da Barra – São Paulo

O cantor e compositor Rolando Boldrin nasceu na cidade paulista de São Joaquim da Barra, em 22 de outubro de 1936. Instrumentista e ator, aprendeu a tocar viola com sete anos. Aos 12 anos, formou uma dupla com um de seus irmãos, Boy e Formiga. Fizeram apresentações na rádio de sua cidade. Em 1953, mudou-se para a capital paulista a fim de tentar a carreira artística. Trabalhou como sapateiro, frentista, carregador e garçom.

Estreou como cantor em 1963, quase por acaso, gravando com Lurdinha Pereira, sua futura esposa, o bolero Um Cantinho Para Dois, de Daniel Magalhães e José de Assis, antes ouvido pelo produtor Palmeira, que gostou da interpretação da dupla e mandou gravar o disco, apesar do aviso de que não era cantor, mas sim compositor. A partir de então, tomou parte em outras gravações da mulher. Tornou-se pioneiro na apresentação de programas televisivos dedicados à chamada música brasileira autêntica, tendo apresentado Som Brasil na TV Globo, Empório Brasileiro no SBT e Empório Brasil na TV Bandeirantes. Gravou toadas, cateretês e modas de viola. Em 1974, apresentou com a Banda de Pau e Corda o show Palavrão, primeiro de uma série em que representou personagem que transforma-se em cantor, poeta e contador de causos. No mesmo ano, gravou seu primeiro disco solo, O Cantadô. Em 1978, participou do filme Doramundo, de João Batista de Andrade, sendo premiado pela APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte). No mesmo ano lançou o LP Longe de Casa, interpretando obras de João Pacífico, Raul Torres, Batista Júnior, Alvarenga e Ranchinho e Cornélio Pires, projeto aclamado pela crítica. Em 1980, criou para a Rádio Jornal de São Paulo o programa Viola de Repente, apresentado também na Rádio Globo, em 1982. Ainda em 1980, lançou com Lurdinha Pereira o LP Giro a Giro, com interpretações solo e em duetos como em Um Agradinho, composição de Almirante. Em 1981, passou a apresentar na TV Globo o programa Som Brasil, onde mostrou artistas como Tião Carreiro & Pardinho, Mineiro & Manduzinho, Zé Coco do Riachão & João Pacífico.

No mesmo ano lançou o LP Caipira, que contou com as participações do maestro Murilo Alvarenga, filho do cantor e compositor Alvarenga da dupla com Ranchinho, que canta na faixa Coração de Violeiro, de Alvarenga, e de Ranchinho, na faixa Casinha de Páia, antigo sucesso da dupla. Em 1982, relembrou a antiga parceria com o irmão Formiga, gravando com ele a toada Felicidade, de Barreto, gravada no disco Violeiro. No mesmo disco cantou com Ranchinho o Romance de uma Caveira, sucesso da década de 1940 com a dupla Alvarenga & Ranchinho. Gravou também Paulistinha, de Barreto, com participação de Nhô Bento na parte declamada, e Flor do Cafezal, de Luiz Carlos Paraná, com a participação especial de Inhana. Em 1987, apresentou Paia… Assada, seguindo o mesmo modelo de cantar e contar causos. Em 1989, saiu da TV Globo e transferiu-se para o canal paulista da Bandeirantes onde apresentou por um ano o programa Empório Brasileiro. Em seguida foi para o SBT, onde apresentou Estação Brasileira. Em 1993 e 1994, repetiria a dose nos espetáculos Brasil em Preto e Branco. Participou de 25 novelas e 12 peças de teatro. Em 1993, recebeu o Prêmio Sharp pelo disco Rolando e Boldrin, no qual fez dupla consigo mesmo, contando causos e cantando modas, entre as quais, A Moda do Fim do Mundo, parceria com Tom Zé e Svaniak, Moda dos Meses, de Alvarenga & Ranchinho, Moda da Mula Preta, de Raul Torres, e Moda da Revolução, de Cornélio Pires e Arlindo Santana, entre outras. O disco foi relançado em 2000 pela gravadora Kuarup. Em 1995, passou a apresentar o programa Estação Brasil na TV Record.

Em 1996, lançou Disco da Moda, interpretando modas de viola como Moda da Pinga, Moda da Mula Preta e Moda da Revolução. Em 1999, lançou Brasil Pandeiro, trabalho com repertório ouvido por ele no rádio em sua infância e juventude. Com arranjos de Théo de Barros, interpretou composições de Herivelto Martins, Assis Valente e Wilson Batista. Gravou ainda Poemas do Som Brasil, Resposta do Jeca Tatu e Clássicos do Povo, os três com declamação de poemas. Em 2003, teve participação especial, juntamente com José Camillo, na música Cobra Venenosa, de Raul Torres e João Pacífico, do álbum Meu Reino Encantado II, do cantor sertanejo Daniel, pela gravadora Warner Music Brasil, produzido por Daniel e Manoel Nenzino Pinto.

Em 2005, lançou pela Kuarup um CD em dueto com Renato Teixeira, revisitando obras de compositores de todo o país. O disco, que mereceu boa aceitação da crítica especializada, trouxe destaques como Ventania, de Geraldo Vandré e Hilton Acioly, que concorreu, também com o subtítulo de Como um Homem Perdeu seu Cavalo e Continuou Andando, no Festival da Record de 1967, Tempero das Aves, dele próprio, Vaca Estrela e Boi Fubá, de Patativa do Assaré, Acorda Maria Bonita, atribuída ao cangaceiro Volta Seca (Antônio dos Santos), do bando de Lampião, além de passar por obras de Lupicínio Rodrigues e Chico Buarque, na composição tema para a peça Morte e Vida Severina, sobre o poema de João Cabral de Melo Neto.

O disco, que reafirma seu sotaque caipira, contou com participações de Almir Sater, que tocou viola no clássico Chico Mineiro, de Francisco Ribeiro e Tonico, da dupla com Tinoco, Paulo Sérgio Santos, no clarinete e Rodrigo Sater e Chico Teixeira nas cordas. No mesmo ano, comemorou o sucesso de seu programa Sr. Brasil apresentado semanalmente na TV Cultura de São Paulo, e que foi vencedor do Prêmio APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte) como Melhor Programa da Televisão Brasileira em 2005. Ainda naquele ano, também foi lançada sua biografia, escrita pela jornalista Leda de Abreu para a coleção Aplauso, da Imprensa Oficial de São Paulo. Em 2006, lançou o primeiro volume do CD Sr. Brasil – Rolando Boldrin e Convidados – Ao Vivo, que reuniu momentos do programa com intérpretes como ele próprio, Renato Teixeira, Almir Sater, Zeca Baleiro, Tom Zé, Ney Matogrosso, Dominguinhos e Yamandú Costa.

Fonte: Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira

Confira os novos lançados da Kuarup

Conheça todos os artistas do acervo

Veja todas as notícias sobre  a gravadora Kuarup