Bruna Moraes | Kuarup
Bruna Moraes

Bruna Moraes

    Curtiu Bruna Moraes?

Bruna Altomar de Moraes

 14/3/1995 – São Paulo

 

Bruna nasceu em São Paulo, em 14 de março de 1995. Com apenas nove anos, descobriu a música por influência de sua tia. Aos 11 anos, foi apresentada ao violão por seu pai. Ingressou na Universidade Livre de Música Tom Jobim (atual EMESP), cursando violão popular por quatro anos. Neste período, começou a compor sozinha e em parceria com o músico Ítalo Lencker.

Em 2009, com 14 anos, fez seu primeiro show ao lado de Zé Luiz Mazziotti, do maestro Roberto Sion e da Orquestra Jovem Tom Jobim, no Memorial da América Latina. No mesmo ano, participou de seu primeiro festival de música, o XVII Certame da Canção em Tatuí, no qual defendeu a faixa Chorei Num Samba, em parceria com Ítalo Lencker, recebendo o prêmio de 4º lugar.

Foi premiada em outros importantes festivais nacionais em 2010, acompanhada pelo Uirapuru Trio: 4° lugar no Festival de MPB em Rio Claro, 3° lugar no Festival da Canção de Jundiaí e 3° lugar no Festival Universitário de Música (FUNMUSIC). Também em 2010, estudou canto popular durante um ano com Magali Mussi, na EMESP. No mesmo ano, foi convidada para se apresentar ao lado do maestro Roberto Sion e da Orquestra Jovem Tom Jobim, no Memorial da América Latina e na Sala São Paulo.

A jovem compositora se destaca por sua genuína musicalidade e maturidade poética. Interpreta canções com veracidade, força e sofisticação, recebendo elogios de grandes artistas da MPB, como Tetê Espíndola, Zé Luiz Mazziotti e o compositor Guinga, que a comparou com a cantora Leila Pinheiro.

A cantora de apenas 18 anos, é a nova artista contratada da gravadora Kuarup. Bruna Moraes está concluindo seu primeiro disco autoral, com produção musical de Pedro Baldanza, experiente contrabaixista que já tocou com grandes artistas da MPB como Elis Regina, Ney Matogrosso, Zizi Possi e Sá & Guarabira. O álbum está sendo gravado no Estúdio do Gato.

Além de seu trabalho, Bruna incorpora ao seu repertório, parcerias com compositores de sua geração como Ítalo Lencker, em clássicos da MPB, como Sem Fantasia, de Chico Buarque, com Lenine Guarani, e uma canção inédita de Taiguara, Levante do Borel, que o compositor só havia tocado em shows, mas não registrou em disco.